Considerando a rápida evolução da pandemia do novo coronavírus em todo o mundo e o alto risco de nossos idosos serem acometidos pela Covid-19, especialmente aqueles com baixa imunidade e comorbidades, o Lar de Idosos Nossa Casa está tomando uma série de medidas visando à orientação, prevenção e segurança dos seus hóspedes e familiares e dos seus colaboradores. Confira a seguir os principais cuidados adotados:

O termo qualidade de vida, especialmente do público idoso, está, de certo modo, associado a uma maior longevidade, sendo esta decorrente da sensação de bem-estar, da saúde física, mental e emocional, do controle cognitivo, das relações com familiares, da rede de amigos, entre outros.

Como se vê, a boa qualidade de vida dos idosos é conquistada a partir de um conjunto de fatores, sendo importante avaliar cada um deles criteriosamente para facilitar a tomada de decisão acerca das medidas necessárias para alcançar o estado almejado.

É comum haver dúvidas sobre a diferença entre asilo e casa de repouso para idosos, algo que dificulta na escolha dos familiares quanto ao local mais indicado para o seu ente querido. Em meio a essas confusões, em geral, o asilo e a casa de repouso para idosos são termos tidos como sinônimos, entretanto, há diferenças consideráveis entre eles.

Conforme os anos avançam, algumas limitações surgem, comprometendo a independência dos idosos e ocasionando o seu afastamento do convívio social. Por esses motivos, na terceira idade, a presença dos familiares torna-se ainda mais importante para manter o ente querido ativo, saudável e amado. Embora comum, essa é uma fase da vida em que o isolamento e a suspensão de atividades e rotinas não é aconselhável.

De acordo com o Ministério da Saúde, Alzheimer é uma “doença neurodegenerativa progressiva que se manifesta apresentando deterioração cognitiva e da memória de curto prazo e uma variedade de sintomas neuropsiquiátricos e de alterações comportamentais que se agravam ao longo do tempo”.

Conforme aponta a projeção populacional para o período 2017-2040 do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), em 2022, Curitiba terá mais de 17% de sua população acima de 60 anos, isto é, mais moradores sexagenários do que crianças e pré-adolescentes até 14 anos.